segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

A vida de João Brandão (1825-1880) – CAP. III



O Padre Portugal era procurador do Visconde de Almeidinha. Tinha vindo a negócios com o fim de vender as propriedades de que o Visconde era possuidor na zona de Várzea de Candosa. Ficou hospedado numa casa do Visconde onde residia também uma “amiga “ dele – Dona Rosa Cândida de Nazareth e Oliveira. Segundo relatos da época, terá sido pelo mau comportamento da dita D. Rosa que o Visconde se apressou em vender todas as suas propriedades na região.

João Brandão terá sido um dos principais compradores, tendo sido mais tarde acusado do roubo e assassinato do dito procurador. Desta condenação, que depois se veio a provar injusta, perpectuada pelos seus inimigos políticos, dado que os verdadeiros assassinos foram a própria Dona Rosa e um cúmplice seu amante, que fazia parte do grupo do João Brandão, “O Faca do Mato” – José de Matos, resultou a extradição do João Brandão para a África Oriental com a pena de trabalhos públicos para toda a vida.

Todavia gozou durante certo tempo dum estatuto especial, tendo unicamente de se apresentar regularmente às autoridades não podendo apenas ter bens em seu nome. Conseguiu também rodear essa questão, pois viveu o resto da sua vida em Benguela, dono de uma grande propriedade açucareira, onde produzia aguardente, até ser assassinado pelos seus inimigos da metrópole. Efectivamente, a 17 de Maio de 1880 chega à província um novo governador, o conselheiro João das Neves Ferreira Júnior, que traria ordens para o eliminar de vez, o que de facto aconteceu nesse ano, a 17 de Novembro.

Após a sua morte ficaram, as canções, as amantes, os esconderijos, as histórias exageradas, a lenda…

Curiosidade

A prisão de João Brandão no dia 7 de Maio de 1866, na casa do pároco de Lourosa , foi levada a cabo pelo Administrador de Oliveira do Hospital, Luís Pereira de Abranches, junto com cabos de polícia e regedores das freguesias da Bobadela e de Travanca de Lagos.

Amantes

Entre outras terras, também Travanca reclama uma amante de João Brandão. Segundo a lenda era por trás da casita das campas, no largo da igreja, que João se escondia muitas noites.

Mitos (contestado por Historiadores)

I Aos doze anos comete o seu primeiro homicídio, na pessoa de um pastor de Gouveia, que mataria como mero exercício de pontaria.

II Repartidor público da riqueza, dizendo que roubava aos ricos para dar aos pobres.

Canção 1

Lá vai o João Brandão
A tocar o violão
Casaca da moda na mão
E atão! E atão! E atão!
Trai trai, olaré, trai trai
Era a moda do meu pai
Oh pastor, lavrador, enganador
rinhinhi, rinhinhó, á-á-á, ó-ó-ó

Canção 2

Já lá vais para o degredo
Adeus ó João Brandão
A morte d’aquele padre
Foi a tua perdição.

5 comentários:

  1. Também em Baloquinhas na Freguesia de Vide João Brandão teve uma amante de seu nome Ana
    Dessa relação nasceu um filho
    de seu nome João Augusto Brandão
    Foi Barbeiro FEZ MUITAS OPERAÇÕES SALVOU MUITA GENTE
    Foi um dos primeiros ALERTA MÉDICO a quem os utentes pagavam uma quota anual em generos

    Frádigas CjM

    ResponderEliminar
  2. Em Frádigas-Vide
    Lembro-me ainda duma quadra sobre João Brandão


    De vinte e oito que matei
    Só dum tenho compaixão
    UM INOCENTE QUE MATEI
    COM UM PUNHAL DE OURO NA MÃO

    Dizia-se ser um afilhado de 12 anos
    que lhe andava numa cerejeira a roubar cerejas, ao qual ele lançou o punhal caindo o miudo morto

    Dizia-se também que a partir daí João Brandão AO BEBER ÀGUA VIA A FIGURA DO MIUDO


    FrádigasCjM

    ResponderEliminar
  3. João Augusto Brandão, era tambem Boticário, teve um caso com Rita Lopes, onde nasceu meu pai Joaquim Freire Lopes (faleceu com 72 anos em 1989 no Brasil),e uma irmã que se chamou Maria Freire(faleceu com 101 anos em 2010 no Brasil) e Maria Encarnação de Brito(faleceu em Vide a mais ou menos 5 anos atrás).
    email - rosinaferreira@globo.com

    ResponderEliminar
  4. Muito interessante a historia do Sr João Brandão, meu avô Manuel Lopes, muito aprendeu com ele, tanto que ficou conhecido nas redondezas como o sr Manuel enfermeiro
    Muitas vidas foram salvas numa época em que a medicina era tão longínqua das pessoas naquela região
    A casa onde nasci em Baloquinhas,foi a casa do ilustre João Brandão,e também a quinta da horta era o lugar priveligiado dessa interessante figura

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu avô tb tinha uma quinta na horta em Baloquinhas..
      .lembro tão bem desses lugares...como eramos felizes...

      Eliminar