terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Capela de Stº António









A capela de Stº António é uma pequena capela rural, existente em Travanca de Lagos. Caracteriza-se por apresentar uma arquitetura vernacular, construída em cantaria de granito de aparelho irregular, com uma planta longitudinal simples e com um espaço único, sendo a cobertura homogénea em telhado de duas águas. Apresenta uma fachada principal que termina em empena, com cornija, coroada por uma pequena sineta. Os cunhais são encimados por dois pináculos que ladeiam uma cruz de Cristo  também em cantaria, sendo um pináculo em forma piramidal simples e o outro piramidal com esfera, ambos assentes em plintos. Apresenta uma porta fronteira de lintel reto, sem moldura de cantaria, ladeada à esquerda por pequena fresta vertical, que serve de óculo para o seu interior. A fachada esquerda é rasgada por uma janela de verga reta, também sem moldura e ladeada à esquerda por uma fresta vertical com vista para o altar. 



vista geral do interior
pormenor do altar


Quando se abre a porta e entramos na capela, o espaço envolvente consegue-nos surpreender. A contrastar com o austero granito do exterior, do chão e da mesa do altar, estão as paredes rebocadas e pintadas de branco, um teto abobadado em madeira, de um azul esverdeado sóbrio, ornado com duas pinturas de cariz popular, surgindo ao fundo, em destaque,  o altar branco em talha, com alguns pormenores dourados, ornado também com pinturas sacras de cariz popular e um santo António em madeira policromada, que no conjunto faz transparecer luminosidade e aumenta a nossa noção do espaço. O interior está a necessitar de algumas obras de restauro, particularmente, o altar,as pinturas e a escultura.


Pintura no teto lateral esquerdo
Pintura no teto lateral direito

A capela está implantada numa pequena encosta, no largo de Stº António, ao fim da rua do fundo do lugar. Segundo é referido pelo Sr. Ivo Pereira, que todos reconhecem ser uma fonte fidedigna, e que aqui no blog irei apelidar de "a nossa fonte", foi erigida no fim do 1º quartel do séc. XX, entre 1923 e 1924, por Luís Martins Borges, uma figura ilustre de Travanca. Luís Martins Borges nasceu em Travanca de Lagos em 15/09/1854, era filho de Manuel Martins Borges e de Ana Maria, naturais de Travanca e Negrelos respetivamente. Viveu no Brasil onde fez fortuna, mas, vinha a Travanca frequentemente e, segundo podemos avaliar por registos existentes, a estadia prolongava-se por longos períodos, especialmente na década de 20, participando ativamente no panorama  socio-cultural de Travanca da época. Há um registo fotográfico da Tuna de Travanca onde ele aparece retratado ( tema já aqui elaborado). 

Luís Martins Borges
Outro exemplo de  registos é o  livro de atas e deliberações da Mesa da Irmandade de Sªº Pedro, onde está escrito que  ele exerceu o cargo de mordomo efetivo no ano de 1923/24 e de juiz em 1924/25, embora por impedimento seu tenha nomeado outro irmão da irmandade  para este último cargo. Segundo a nossa fonte,  faleceu no Brasil em 1936, vítima de uma queda, tendo ficado sepultado por terras de Vera Cruz. Quanto à capela não se encontraram quaisquer documentos ou registos até à data que possam trazer mais luz a este tema. Desconhecem-se  as razões da escolha do local e  a  motivação para a sua construção. Não se descobriu  também se houve instituição de algum  vínculo à capela.