quinta-feira, 25 de maio de 2017

Álbum- Fotos antigas







Quinta da Carrosenda, em Travanca de Lagos. Um grupo de trabalhadores na apanha da azeitona, nos anos 40 ou 50 do séc. XX. Em cima, ao centro, parece ser a Dra. Maria do Carmo que era  filha dos proprietários, Felizarda Carvalho e Diamantino Nunes Pereira, ela que foi médica no posto de saúde de Travanca muitos anos. Nesta época, como não havia jardim escola, iam todos para a faina... 

sábado, 22 de abril de 2017

Quintas e Lugares de Travanca de Lagos





Quinta das Mercês 
Antiga Quinta da Via de Lagares

- A história possível e uma possível interpretação da história


fig.1 - Casa da Quinta das Mercês - pormenor
A quinta da Via de Lagares, nome por que era conhecida a célebre Quinta das Mercês até ao início do séc. XX, foi outrora uma bela e próspera propriedade agrícola, encontrando-se atualmente muito repartida e a sua casa residencial em estado avançado de ruína. Situa-se numa encosta na vertente norte de Travanca de Lagos, mais precisamente, quando se desce para Lagares da Beira. A Quinta acompanha a estrada pelo lado esquerdo, desde a cortada para a Quinta da Bica, até ao rio Cobral, embora a estrada atravesse a quinta na extrema sul (fig.2).

fig. 2 - Carta militar  de Travanca com destaque da Quinta a roxo
Tinha cerca de 16 hectares e era constituída por terras de cultivo, pinhais, mato e vinha. Para além da sua terra fértil, a mina de água existente na quinta, com o seu enorme tanque de granito repleto todo o ano, permitia-lhe grandes culturas e grandes colheitas. Anexos, mas dela fazendo parte, existiam também moinhos de água junto ao rio Cobral, conhecidos por Moinhos da Quinta da Via, com casas anexas onde residiram os moleiros e suas famílias ao longo de muitas gerações (fig. 3 a 7).


fig. 3 e 4 - Quinta das Mercês , pormenores da paisagem
fig.4

fig. 5 -  Mina e tanque de água


fig.6 - Extrema norte junto ao rio Cobral


fig.7 - Moinho de água e residencia  anexa

O nome original da quinta da Via de Lagares estará relacionado, como o nome indica, com uma via romana que, passando junto à quinta, continuava depois por Lagares da Beira. Hoje é um caminho secundário, de serventia, estando a calçada romana tapada desde que o caminho sofreu obras de alargamento, supostamente, para melhorar o acesso em caso de incêndio. Uma parte da calçada romana da encosta de Lagares está visível e identificada com uma placa de sinalização. Poderia ser um simples caminho vicinal ou ser parte da via que ligava Bobadela a Viseu.

A história desta grande propriedade começa há muitas gerações atrás, num passado já longínquo, mas disso não há memória e os registos que nos chegam são muito limitados para a datar com precisão. Só a partir do fim do séc. XVlll é que aparecem os primeiros documentos paroquiais a referi-la como residência de alguém, situação que não acontecia anteriormente em que apenas se referiam à freguesia, não sendo tão explícitos com a morada. Desde essa época até à actualidade, a quinta terá pertencido a 3 famílias. Até ao início do séc. XlX, foi, provavelmente, pertença da família Mendes Monteiro, de Lagares da Beira, do séc. XlX até ao primeiro terço do séc. XX, terá sido da família Brito ou Pinto de Brito e, embora dividida, desde os anos 30 até à actualidade da família Marques Fernandes, de Lagares da Beira.

Assim, em 1780 aparece o primeiro documento paroquial a referir-se à quinta da Via de Lagares. É um assento de óbito de Violante Maria, referida como criada do padre José Cardoso de Figueiredo, de Travancinha. O segundo documento refere-se, no ano seguinte, à morte do dito padre, já com 80 anos, sendo este filho de Mariana Marques Mascarenhas e de António Cardoso de Figueiredo, Sargento-Mor do Casal de Travancinha. Como nesse registo o padre não vem referido como proprietário da quinta, o que a ser era geralmente descrito no assento, nem parece ter exercido nenhum cargo paroquial, quer em Travanca quer em Lagares, pois os párocos dessa época e anterior são conhecidos, não se percebe, por enquanto, a sua ligação quer à quinta da Via quer a Travanca de Lagos.

Passado um ano, em 1782, morre na quinta José Alvares, um criado de Manuel Mendes Monteiro, proprietário de Lagares da Beira. Como se tratava de um criado a residir na Quinta, admite-se que o seu patrão fosse o proprietário da Quinta. Em 1808 aparece um registo de batismo em que os padrinhos foram António Monteiro e Maria Eufrásia, da Quinta da Via. Pelo apelido poderiam ser da família do proprietário ou talvez os caseiros. Enfim, no fim da primeira década do séc. XlX a quinta foi adquirida por um bacharel em Direito, que em 1804 terminara o seu curso em Coimbra. Chamava-se António José de Brito, era natural de Loriga, filho de outro António José de Brito e de Isabel Mendes, também de Loriga. Da sua vida passada até à vinda para Travanca apenas se sabe, porque assim ficou descrito numa dita de reconhecimento parental em 1860, que teve uma filha ilegítima de nome Custódia Mendes de Brito, tida em solteiro com Ana Rita Pinto de Abranches, ainda em Loriga, onde aí viria a ser exposta como filha de pais incógnitos. Já a residir na Quinta teve o segundo filho ilegítimo, nas mesmas condições e com a mesma Dona Ana Rita. Desta vez a criança, de nome João Pinto de Brito, foi exposta na freguesia de Travanca, em Negrelos, no dia 20 de Agosto de 1820. O Dr. António José de Brito só viria a legitimar os dois filhos, casando-se com a companheira da sua vida, em 1859, um ano antes de falecer, reconhecendo-os depois como filhos e seus legítimos herdeiros. João de Brito terá sido educado por eles desde pequeno, já a filha terá vivido em Loriga, tendo casado depois com José Mendes de Torroselo e por lá permanecido.


Este proprietário viveu no conturbado período da revolução liberal e guerra civil, muito activa nestas paragens da Beira, como já foi descrito num artigo anterior. Quando se instalou na Quinta deve ter feito obras consideráveis, melhorando bastante a segurança e as condições de vida local, visto estar bastante isolado, praticamente na fronteira entre Travanca e Lagares e, portanto, vulnerável aos roubos e às pilhagens tão comuns naquela época. Não se sabe da sua filiação político-partidária mas, a julgar pelas histórias que se contam, poderá ter sido da fação liberal. Reza a história local que o João Brandão usava a quinta, nessa época, como esconderijo quando andava foragido. De facto, na casa da quinta existem dois quartos subterrâneos, um dos quais entre a cozinha e a sala, sem janelas, com acesso apenas por alçapão, como se de um esconderijo se tratasse, podendo ser usado por algum foragido, como por exemplo o João Brandão, ou simplesmente para ele e a sua família se esconder de alguma investida bélica. Talvez por isso a casa estivesse fortificada, com grandes grades de ferro nas janelas e portas reforçadas com fitas de metal por dentro e chapa por fora, impondo-lhe um ar austero, mas seguro (fig. 8 a 11).

fig. 8 - Casa da Quinta, pormenor

fig. 9 - porta com reforço exterior a chapa de aço
fig.10 - porta da casa com reforço interior de chapa de aço

fig.11 - Casa da Quinta, pormenor do gradeamento

A casa, atualmente, encontra-se em avançado estado de ruína, aparentando ter tido uma arquitetura rural severa, onde sobressai o seu granito escuro e sombrio, mas no seu interior, pelo contrário, mostra que teve exuberância de cor, ao gosto da época, sobressaindo as pinturas figurativas nos tectos e os motivos florais nas paredes que, embora danificadas, ainda resistiram ao tempo para serem registadas parecendo, no entanto, irrecuperáveis (fig. 12 a15) …




fig. 12, 13, 14, 15 - Casa da Quinta, pormenores das pinturas figurativas dos tectos


A Quinta da Via, neste período, era próspera e rica dando guarida e sustento a muitas famílias, desde os moleiros aos caseiros. Entretanto, nos anos que se seguiram, por volta de Novembro de 1845, entra em funções um novo padre em Travanca, substituindo o pároco Ricardo António Mendes da Gama. Chamava-se Manuel Joaquim Pereira Ribeiro da Rocha, mais tarde Presbítero Arcipreste do distrito de Coimbra, cónego capitular da Sé de Coimbra, iria exercer funções até cerca de 1861. Era natural de Passos da Serra, concelho de Gouveia, residindo então em Travanca. Tinha ele uma bonita irmã mais nova que, provavelmente, seria sua visita regular, talvez desde pequena. Numa das visitas terá conhecido João Pinto de Brito, filho do Dr. António José de Brito, tendo daí nascido, mais tarde, um romance entre os dois. Casaram em 1860, ele com 40 anos e ela com 24, mas primeiro os pais do noivo, que viviam em comunhão de facto, tiveram que legitimar a sua própria relação casando-se na sua Quinta em 1859. A Dona Ana Pinto de Abranches, mãe do João de Brito, era natural de Torroselo sendo filha de José Rodrigues de Abranches e de Isabel Pinto de Torroselo. Foi uma relação de uma vida, cheia de mistério e talvez de sofrimento, aquela que teve com o Dr. António. Só depois do casamento puderam reconhecer legalmente o seu filho, então com 40 anos, após o que se deu o enlace com a irmã do Reverendo, Dona Maria José de Sousa Pinto. Ela, nascida em 1836 em Passos, era filha de José de Sousa Pinto e de Delfina Rosa, ambos de Passos da Serra. Antes de morrer, em 25 de Novembro de 1860, já com 85 anos, o Dr. António ainda assiste ao casamento do filho, sendo o irmão da noiva o padre que os casou. A esposa do Dr. António, Dona Ana da Quinta como era conhecida, vem a falecer em 1869, com 80 anos. Segue-se um novo período próspero com uma nova geração, a segunda da família Brito.

Desta união entre João Pinto de Brito e Dona Maria José de Sousa Pinto, ou Pereira da Rocha, como a proprietária algumas vezes vem mencionada no Anuário Comercial de Portugal, apelidos que lhe vêm dos avós maternos, nasceram dois filhos. O mais velho, Augusto das Mercês Pinto de Sousa e Brito (fig.16), ou Mercês como ficou conhecido em Travanca, nasce em 24/9/1871, no dia de Nossa Senhora das Mercês. O seu padrinho de batismo foi José Soares Coelho da Costa Freire. O mais novo, Manuel Eduardo (fig. 17), nasceu em 23/2/1874, tendo por padrinhos o seu tio, o Reverendo Manuel Joaquim Ribeiro Pereira da Rocha, e Dona Teresa Augusta Soares Albergaria Cabral, irmã da Dona Amélia da Quinta das Hortas.

Em 1904 morre João Pinto de Brito, com 76 anos, ficando à frente dos destinos da Quinta a sua viúva, Maria José ou Dona Maria Cónega com era conhecida na época, por associação ao irmão. Esta matriarca só virá a falecer, na sua quinta, em 1918, já com 80 anos.

fig.16 - Augusto das Mercês

fig. 17 - Manuel Eduardo de Brito

Os seus filhos tiveram vidas distintas. O Manuel Eduardo casa-se, na primeira década do séc. XX, com uma professora primária de Gouveia, talvez de Passos da Serra, terra dos seus avós maternos. No entanto deixou 3 filhos ilegítimos, que nunca reconheceu, tidos de uma bela jovem de Travanca por quem se enamorou, fruto de uma relação nunca consentida pela sua mãe pelo facto dos jovens serem de classes sociais distintas. A jovem, de nome Maria da Conceição Costa, abandonou Travanca em 1903, com os três filhos e refez a sua vida em Cascais, junto dos pais e irmãos.

fig.18 - Tuna de Travanca de Lagos em  1914, com os irmãos Augusto das Mercês e Manuel Eduardo nos extremos da foto

O Augusto das Mercês, sempre mais ligado a Travanca, teve uma vida folgada. Foi presidente da primeira Tuna de Travanca de Lagos (fig.18), onde participa também o irmão, e foi Regedor de Travanca entre os anos de 1914 e 1915. Nunca casou, mas teve também vários filhos ilegítimos. De uma das criadas da Quinta, Ana Mendes mais conhecida por Ana das Mercês, teve um filho em 1904, chamado Eduardo e, em 1905, uma filha de nome Maria das Mercês. A Maria foi educada na quinta e reconhecida como filha legítima, em 29/9/1932, por altura do seu casamento. O Eduardo e a mãe mudaram-se para o povo, onde passaram a viver numa pequena casa, já nos anos 20. Augusto Mercês teve ainda outro filho, em 1914, António Mendes, alcunha de Moio, tido de uma jovem de Travanca chamada Maria Teresa Cravo, que terá emigrado para o Brasil, tendo o filho sido criado pela avó, Conceição Cravo, até à idade de ir para a tropa.

fig. 19 - Carimbo da Quinta usado elo Augusto das Mercês

Com a morte da Dona Maria Cónega, em 1918, fica com os destinos da Quinta da Via de Lagares o Augusto das Mercês. É nesta fase que a quinta muda de nome para Quinta das Mercês, em honra ao seu recente proprietário (fig. 19), e atinge, provavelmente, o seu apogeu, se não pelos rendimentos agrícolas, pelo menos pelas opulentas festas que dava e que se iriam tornar frequentes nesses loucos anos 20 em Travanca. O Mercês vivia dos rendimentos e tinha uma vida de luxo. Conta-se que, na época, tinha um carro, o que era uma sensação na Terra. Quando queria ir de carro da quinta até ao povo, o que era uma subida considerável, ou ia puxado por uma junta de bois ou burros ou, então, pela pequenada entusiasta que o ajudava nessa tarefa! Com o tempo, esta vida faustosa levou ao declínio da Quinta, às hipotecas, à ruína. Em 1930 morre a sua governanta, pessoa que ele muito estimava, ficando a viver só com a filha. Vende o que tem e muda-se para Viseu, onde investe numa empresa de material de construção, A Combatente. Casa a filha em 24/9/1932, no dia em que fazia 61 anos de idade, perdendo-se depois o seu rasto. Contava o Sr. Ivo que teria morrido em Vil de Moinhos, freguesia de Viseu.

Por volta de 1930, a quinta, já hipotecada, foi adquirida por Alexandre Marques Fernandes, um abastado emigrante no Brasil, natural de Lagares da Beira. Segundo conta um familiar, teria feito fortuna com um elixir para o cabelo chamado Juventude Alexandre (fig. 20), muito popular no Brasil, um produto eficaz que restaurava a cor natural do cabelo e que lhe valera, para além da fortuna, um prémio internacional obtido em Paris. Segundo é referido por  Carla Francini Terci, terá sido comercializado no Brasil desde o ano de 1908 até cerca de 1960. O engraçado, segundo o sobrinho, é que o tio sendo careca não podia usufruir da sua fórmula! Ainda hoje se produz em Portugal, embora a patente tenha deixado de pertencer à família, é comercializado pelo laboratório Gestafarma.

fig. 20 - Anúncio na revista Fon-Fon, Brasil  1930

Entretanto o senhor, não tendo filhos, deixou, logo à partida, a propriedade para os seus 4 irmãos que, ainda em 1932, a escrituraram e dividiram pelos quatro, tendo todas as partes cerca de 4 hectares (fig. 21).

fig. 21 - Carta militar com o pormenor da divisão da Quinta em 4 partes, aproximadamente


António Marques Fernandes, na época solteiro, proprietário da Quinta do Borralhal, em Lagares da Beira, viria a casar e viver em Maceirinha, Seia, e mais tarde emigraria para o Congo, ficou com a parte que continha a casa de residência da Quinta, o lagar e terreno misto.

Adelino Marques Fernandes, casado com Blandina de Figueiredo Fernandes, ficou com a parte que continha a casa dos Caseiros, a forja, a mina e, claro, terra com fartura.

Agostinho Marques Fernandes e a esposa, Dona Maria Augusta Fernandes, ficaram com a parte da quinta a sul, mais perto de Travanca.

Dona Elisa do Rosário Fernandes e o marido, António Mendes Gonçalves, ficaram com o estremo norte da quinta, fronteiro ao rio Cobral, contendo os chamados Moinhos da Via.

Nenhum dos quatro irmãos chegou a viver na quinta mas, também, esta nunca esteve desocupada. Na casa principal, pertença de António M. Fernandes, passou a viver como caseiro, desde essa altura, José da Costa e sua família, naturais de Travanca, cuidando dessa parte da quinta. Mais tarde, uma filha, chamada Conceição Costa, casa com Joaquim Carvalho, Saca de alcunha, passando a residir lá com a família que foi formando e tomando conta dessa parcela. Na casa ao lado, a dos caseiros, pertença do Adelino, passa a viver outra filha de José da Costa, Maria das Dores da Costa, quando casa com António da Costa Brito, conhecido pela alcunha do Forcas, activando a forja que se situava no piso inferior. Viveram lá até meados dos anos 80. Esta parcela foi, na última década, comprada por um casal Norueguês.

Nos anos 50, na parcela referente à Dona Elisa viveu uma filha, conhecida por Marquinhas, casada com um senhor, também de Lagares da Beira, chamado Francisco Coelho, (fig. 24). Teve ainda outra filha conhecida por Teresinha. Posteriormente esta parcela teve como caseiro, até meados dos anos 90, o senhor Albertino Marques Miguel, conhecido por Coradinho. Actualmente a propriedade também já foi vendida a um casal de Ingleses. A parcela do Agostinho também foi vendida, encontrando-se novamente à venda.

fig. 24 - Casa de habitação e moinho de água reconstruidos

fig. 25 - Ruínas de um moinho de água da Quinta

fig. 26 - Paisagem da Quinta com pormenor de uma casa de habitação junto ao moinho ruído


Só a quinta de António Marques Fernandes ainda está na posse dos herdeiros. O seu proprietário actual, o Dr. António Pinto Fernandes, residente no Porto, tem-na à venda. Segundo ele conta, a quinta teve um projecto de requalificação que previa a reconstrução da antiga residência, com a recolocação da sua antiga e majestosa chaminé, mas, infelizmente, o projecto não avançou.
Resta portanto, para bem da história e do património, que alguém sensível a estas questões, e também com gosto pela terra e pela nossa Terra, lhe queira repor novamente a glória de outros tempos, dando àquele granito patinado nova vida, novo rumo!

Agradecimentos,
Fotos – 16,17,19 – Maria Eduarda Garcia
Foto 18 – António Manuel Soares
Foto 20 – Carla Francini Hidalgo Terci